NTC&Logística espera que piso mínimo deixe de existir - Sindicarga

NTC&Logística espera que piso mínimo deixe de existir

NTC&Logística espera que piso mínimo deixe de existir

0 Flares 0 Flares ×

Afirmação do Presidente da entidade, José Hélio Fernandes, foi dita durante reunião do Conet/Intersindical realizada em João Pessoa

Durante a realização da reunião do Conet/Intersindical, realizada em João Pessoa (PB), nos dias 7 e 8, o presidente da NTC&Logística, José Hélio Fernandes, não escondeu sua insatisfação em relação a tabela mínima de frete. “Esperamos que o piso mínimo deixe de existir. Isso tem gerado uma preocupação muito grande no setor empresarial”, acrescentou em nota distribuída pela entidade.

Para Fernandes, a única coisa que vai resolver é a economia voltar a expandir. “Se a economia crescer 4%, ninguém vai falar em piso de frete, porque o que regula isso é a oferta e demanda, e o problema será resolvido”, afirmou o presidente.

Otimismo

O encontro, que reuniu empresários de transportes e dirigentes de entidade de classe, revelou os resultados da pesquisa da NTC&Logística com 1.500 representantes do setor. O estudo apontou que 44,5% dos entrevistados acreditam que as taxas de frete vão aumentar neste ano. Outros 42% apostam que valor do frete no futuro ficará estável, enquanto apenas 13,5% avaliam que cairá.

Sobre a tabela de frete mínimo, promulgada pelo governo para atender as reivindicações dos caminhoneiros, apenas 10,9% dos entrevistados disseram que pagam acima do piso oficial. Já 39,9% dos entrevistados admitem que pagam “igual ou bem parecido” e 49,2% ainda contratam abaixo do piso.

Em contrapartida, o levantamento apontou também que 64,8 % dos empresários do setor recebe abaixo do piso mínimo de frete; 22,8 % “igual ou bem parecido” e 12,4% acima do estabelecido.

O levantamento da NTC&Logística mostrou ainda uma melhora na situação do empresariado. Enquanto há 3 anos atrás o percentual de respondentes da pesquisa apontou que 71% estavam em situação pior que a anterior, no levantamento de 2019 este percentual caiu para 36%. Para o assessor técnico da NTC&Logística, Lauro Valdivia, isso ocorre em meio a uma melhora da economia, mas também há o componente da tabela do frete.

Apesar da ressalva do presidente da NTC em relação a tabela, a própria pesquisa da entidade revelou uma outra realidade. Nada menos que 53,6% dos entrevistados disseram que ela é “boa” para o transporte rodoviário de cargas. Outros 24,7% mostraram-se indiferentes e 21,7% acreditam que ela prejudica o setor.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×