Lojas online já cobram frete 10% mais caro para o Rio - Sindicarga

Lojas online já cobram frete 10% mais caro para o Rio

Lojas online já cobram frete 10% mais caro para o Rio

0 Flares 0 Flares ×

O Rio, um dos maiores mercados consumidores de vendas pela internet do país, vem perdendo espaço. Grande parte dos pequenos e médios empresários prefere não entregar encomendas no estado e aqueles que mantêm passaram a cobrar, em média, 10% a mais no frete para os clientes no primeiro trimestre do ano.

A estimativa é da Tray, unidade de e-commerce da Locaweb, que possui mais de nove mil lojistas em sua carteira de clientes. Para os empresários, além do roubo de cargas e aumento do custo de seguro, logística e atendimento ao consumidor, os problemas de entrega dos Correios e a implementação da taxa emergencial de R$ 3 para qualquer encomenda destinada à capital estão entre as principais causas de desestímulo aos negócios.

— Os pequenos e médios entregam com os serviços dos Correios, e há restrições em parte do município do Rio. Embora os consumidores não recebam (a mercadoria) em casa, eles ainda terão que pagar essa taxa de entrega diferenciada. O cliente culpa o lojista — observa Willians Marques, diretor-geral da Tray.

Para o presidente da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABCOMM), Maurício Salvador, a taxa dos Correios prejudica as vendas pela internet:

— A cobrança de mais uma taxa sufoca ainda mais o microempresário brasileiro. Precisamos de qualidade no serviço e não de taxas adicionais.

Os Correios dizem que “a suspensão da liminar (que impedia a cobrança) comprova que a taxa emergencial pela empresa não é ilegal”.

Depoimento: ‘Reduzi o número de pedidos’, diz Adriana Moreno Lima, de 40 anos, motorista de aplicativo de transporte

“Eu tenho feito poucas compras na internet ultimamente porque os Correios não entregam mais na minha casa. Eles dizem que Madureira agora é área de risco. Antigamente eles entregavam tudo direitinho. Agora, com essa explosão de violência, as entregas não chegam mais. Eu diminuí muito minhas compras online, porque é um transtorno enorme sair da minha casa, pegar um ou dois ônibus, e vir até a Penha para retirar a minha mercadoria na agência dos Correios. Eu não consigo entender por que de só aqui na Penha é possível retirar mercadoria. Isso desestimula o consumidor a fazer novas compras. Se o bom de comprar pela internet é a comodidade de entregar em casa, o que adianta ter esse deslocamento?”.

Fuga de investimentos

Os impactos no setor de vendas online provoca outras consequências econômicas no estado. Uma delas é visível no setor imobiliário. Um em cada três galpões cariocas está vazio. Somente em fevereiro, a disponibilidade de empreendimentos industriais e logísticos na capital fluminense alcançou 32,7%, salto de quase 8 pontos percentuais com relação a janeiro.

O mercado carioca de empreendimentos industriais e logísticos teve o mês de fevereiro marcado por devolução de grande impacto nos números da cidade, além de novas entregas. Segundo especialistas, foi a nova movimentação causada pela crise de segurança no Rio que chamou a atenção.

A devolução de 90 mil m² na região da Avenida Brasil por uma empresa de e-commerce, e a entrega de uma área total de 85 mil m², elevaram a taxa de disponibilidade da cidade, passando de 25,5% em janeiro, para 32,7%. Só a região da rodovia Washington Luís, principal área logística do Rio, está com metade (47,1%) de seus condomínios logísticos vazia.

— As empresas estão considerando outros estados, como São Paulo e Minas, para o abastecer o Rio — explica Abiner Oliveira, diretor de Industrial e Logística da NAI Brazil.

O Rio também vem perdendo participação no total de vendas online, passando de 12% para 10%, podendo encerrar o ano em 9% das compras totais.

— Na questão de investimento, o Rio não é mais para onde a gente olha — destaca Fábio Fialho, diretor de estratégia e comercial da Synapcom Consultoria.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×